Homem aterroriza juíza e ameaça atear fogo nela

Vídeo

O que da na cabeça de uma pessoa dessas, que perde totalmente a noção de ética e resolve partir para agressividade em vez de lutar com armas brancas e sem agressividade, resolve culpar a  juíza de um problema dele com a mulher. 

Percebe-se que ele misturou óleo com algum produto de limpeza e quis atear fogo nela.

E ainda deixou garrafas de cerveja do lado de fora que iria atear fogo e jogar na janela dela..

Talvez ele estivesse bêbado. Por isso sou completamente contra a bebida.

Talvez a policia mesmo tivesse forjado as garrafas do lado de fora, pois ele nem quis subir com as garrafas, apenas com um galão com liquido inflamável.

Será que é um pirófago.

Deve ter enchido a cara a beça para ficar endemoniado e tomar uma atitude dessas!

Mas será que era necessário?

Com Maria da Penha ele iria ficar no máximo 2 anos na cadeia.

Agora foi condenado a 20 anos por sua insensatez e imprudência!

Depois eu que sou louco de falar mal da juíza que me proíbe desde 2011 de ver meu filho!

 

Juiza Cometendo Crimes?

Juiza da vada de Família é conivente com falsidade ideológica

Estou muito descontente com a juiza Andrea Pacha.. já é a segunda bola bora que encontrao no livro. Mas tenho uma acusação muito pior. Ela teve a pachorra de escrever dizendo que:

“Ninguém é pai porque, num ato sexual, tem a sorte ou infortunio de faculdar uma vida” (infortúnio nesse caso seria azar)

SINTO MUITO JUIZA MAS É PAI SIM PORQUE TEM O MESMO DNA E DNAS IGUAIS SE ENTENDEM.

Mas tenho uma acusaão mais grave, um caso de separação onde o pai adotivo pagava a pensão do filho adotivo e o pai verdadeiro pede a guarda da criança e a juiza não permite a troca do sobrenome errado na Certidão e mantem a falsa paternidade. (Talvez procurando assim novos fundos advocatícios fúturos)

PROCASTINAR FATOS, FALSIDADE IDEOLOGICA

Crimes?

Livro: A Vida não é Justa – Andrea Pacha editora:AgirEdiouro p.115 a 118

Mulher é condenada a 3 anos de detenção por impedir o pai de ver seu filho!

Tres años de cárcel para una mujer por impedir que su ex pareja vea a su hijo

El Juzgado de lo Penal ordenó su ingreso en prisión por incumplir cuatro sentencias en las que se establecía el régimen de visitas del padre

21.10.2008 | 02:00

mulher condenada por impedir pai de ver o filho

MARIA JOSE BLANCO , MUJER ABOGADA QUE DENUNCIA SU DETENCION ILEGAL POR LA POLICIA

María José Blanco Barea posa antes de ofrecer una rueda de prensa en 2007
SUSANA ARIZAGA La mujer que denunció al padre biológico de su hijo de ocho años por maltrato psicológico ha ingresado en prisión para cumplir una pena de tres años y cuatro meses por desobediencia judicial. La condenada lleva siete años haciendo caso omiso a las órdenes judiciales de Granada y Zamora que imponían un régimen de visitas para que el progenitor pueda ver al niño.
María José Blanco Barea, que incluso llegó ser detenida por la Policía Nacional en agosto de 2007 en Zamora por negarse a entregar al niño a su padre para que pasaran quince días juntos, tendrá que permanecer más de un año en la macroprisión de Topas. El Juzgado de lo Penal ejecuta las cuatro sentencias impuestas por otros magistrados: dos de un año y otras dos de diez y seis meses. El ex compañero de la condenada recogió el sábado al infante del domicilio que comparte con su madre y la actual pareja de ésta, para llevárselo a la capital de Granada en la que reside. El magistrado le ha concedido la tutela y la custodia de forma provisional, hasta que la mujer, que sufre la enfermedad de Parkinson, cumpla con las sentencias dictadas por el Juzgado tras varios años de litigio, que comenzaron cuando el menor tenía casi tres años.
La ahora reclusa, abogada de profesión, solicitó públicamente «una orden de protección para mi hijo, para eliminar el régimen de visitas y que se inicie un proceso de revinculación psicológica», necesario a su juicio porque el primogénito y su padre no han tenido ninguna relación. Pedía que un equipo de especialistas ajustara los criterios de educación y facilitara la adaptación del niño a su progenitor. Nunca ha logrado estos objetivos y los jueces han hecho valer el derecho de su ex novio a disfrutar del hijo.
El hombre, que nunca ha realizado ninguna manifestación pública en los medios de comunicación, demandó en 2004 la custodia del menor de edad por considerar que la enfermedad de la madre le impedía cuidarle adecuadamente. La dolencia se le diagnosticó tres meses después de dar a luz. Ella alega que el padre inscribió con sus apellidos al niño en el Registro Civil el último día de plazo, lo que, a su entender, refleja la falta de interés en el bebé. Una actitud que María José Blanco afirma haber tratado de combatir en los primeros años de vida del pequeño, al que llamaba para que le visitara. «He procurado que estuviera presente, que tuviera un vínculo con él», declaraba en junio de 2004, cuando aseguraba que incluso llegó a ponerle una demanda judicial para que se le impusiera un régimen de visitas y una pensión, a lo que su ex novio «se negó».
María José Blanco, que promovió una Asociación por una Cultura sin Violencia Psicológica, llegó a acusar a su ex pareja, también abogado, de pertenecer a un grupo de gran influencia en la provincia andaluza que le sirvió para que un magistrado de la capital le favoreciera y ordenara el primer régimen de visitas en 2004, tras dos años y medio sin ver al niño. Esa fue su primera rebeldía contra una disposición judicial. María José Blanco inició una lucha que sabía que la podía conducir a la cárcel. En una rueda de prensa concedida el dos de septiembre de 2007 comunicó que estaba condenada cinco veces por desobediencia a la justicia, al tratar de impedir los contactos de su hijo y el padre, que según ha asegurado siempre no quiso participar del nacimiento del niño, ni ocuparse de él hasta que el menor estaba a punto de cumplir los tres años.
Aquella primera orden del juez de Granada la recurrió porque ya vivía con su vástago en Zamora y consideraba que la instancia andaluza no era competente para resolver el caso. Llegó hasta el Tribunal Constitucional. Entonces afirmaba que «yo desobedezco al padre del niño no al juez, porque no es competente». Debería decidir un juez de Zamora. Y así fue: Ordenó que el padre y el hijo entraran en contacto y se vieran fines de semana y en vacaciones. Apoyado en el informe de la Fiscalía, que favorecía esa relación porque no estaba acreditado que fuera perjudicial para el menor. Además, en base a la tesis que mantenía el progenitor, indicaba que si el Parkinson de María José Blanco se agravaba o fallecía, tendrá que ser el padre biológico quien se haga cargo del niño y no la pareja actual de la mujer.
Lejos de asumir la determinación judicial, cursó una denuncia por «violencia de género institucional, porque se está hablando del patriarcado, de que al niño le beneficia el contacto con el padre porque es su padre biológico. La justificación debe ser ese beneficio y no porque yo tenga una discapacidad o porque me vaya a morir». Remitió una queja ante la Fiscalía General del Estado por la conducta de la fiscal.
El hombre la ha acusado de alienación parental, es decir, de provocar en el niño un rechazo hacia su padre. Ella sostiene que su ex novio, en las tres ocasiones que asegura haberle facilitado visitas al niño, ha influido negativamente sobre el menor. En septiembre de 2007 declaró que la había sometido a un «acoso procesal» por las continuas denuncias para exigir la tutela del niño y lograr un régimen de visitas para verle.

fonte:http://www.laopiniondezamora.es/zamora/2008/10/21/tres-anos-carcel-mujer-impedir-ex-pareja-vea-hijo/309112.html?fb_action_ids=629396980423373&fb_action_types=og.recommends


A JUIZA DANIELA VENTRICE ME PROIBE DE VER O FILHO A MAIS DE 3 ANOS E AINDA CONTINUA SOLTA!

Juiza julga um amigo de infancia acusado de roubo

Acusado de roubo chora ao reconhecer juíza como sua amiga de escola

Redação RedeTV!

Juíza reconheceu amigo de infância em julgamento (Foto: Reprodução/Youtube)

Suspeito de roubar um carro nos Estados Unidos, o americano Arthur Booth, de 49 anos, se emocionou durante seu julgamento, nesta terça-feira (30), depois que a juíza Mindy Glazer o reconheceu dos tempos de escola, quando eram amigos.

“Senhor Booth, tenho uma pergunta. Você frequentou [a escola] Nautilus?”, questionou Glazer. Questionado, o homem não conseguiu responder e apenas repetiu diversas vezes “Oh meu Deus! Oh meu Deus!”.

Booth foi preso na segunda-feira (29) após ser flagrado dirigindo um carro que teria sido usado no assalto a uma casa. Ao ser abordado por um policial, ele acelerou e acabou sendo perseguido, segundo informações da “NBC News”.

“Sinto muito vê-lo aí. Sempre me perguntei o que teria acontecido com o senhor”, continuou a juíza. “Ele era o garoto mais legal da escola, foi o melhor menino do ensino fundamental”, acrescentou.

Diante do homem emocionado, a juíza continua: “Sr. Booth, espero que você seja capaz de mudar seu comportamento. Boa sorte”, deseja ela. “Espero que você seja capaz de sair desta situação bem e tenha uma vida boa”, finalizou.

Assim que a Glazer termina sua fala, Booth tenta dizer algo, mas recebe o chamado dos policiais e deixa o local sem nada dizer. Ele ficará preso até pagar uma fiança de quase R$ 135 mil.

O vídeo do encontro entre a juíza e o réu tornou-se viral nas redes sociais.

Assista:

fonte:http://www.redetv.uol.com.br/jornalismo/da-para-acreditar/acusado-de-roubo-chora-ao-reconhecer-juiza-como-sua-amiga-de-escola?cmpid=tw-uol

link curto:http://adf.ly/1KFSXf

Miss DF vira Juiza com 28 anos

Aprovada em 6 concursos, miss DF vira juíza aos 28 anos

G1

9 de Mar�o de 2015 | 11h45

A juíza federal Alessandra Baldini na época em que ostentava a coroa de Miss DF
A juíza federal Alessandra Baldini na época em que ostentava a coroa de Miss DF - Foto: Cassiano Grandi/Divulgação

A juíza federal Alessandra Baldini na época em que ostentava a coroa de Miss DF – Foto: Cassiano Grandi/Divulgação

Quem vê a brasiliense Alessandra Baldini atuando como juíza federal aos 28 anos não consegue imaginar a trajetória da magistrada: bacharel em direito, ela tem pós-graduação pelo Ministério Público e foi aprovada em seis concursos nos últimos três anos. As conquistas profissionais dela não se restringem, entretanto, ao mundo acadêmico. A jovem ostenta o título de Miss DF 2011 e, durante um ano e meio, seguiu carreira internacional de modelo na Ásia.

A paixão pelas passarelas começou na adolescência e continuou no período da faculdade. Ela entrou para o curso aos 17 anos e, aos 18, decidiu trancá-lo para desfilar na China, Tailândia e Filipinas.

“Busquei conciliar as duas carreiras, mas sempre priorizando os estudos. Embora tenha interrompido os estudos para ‘modelar’ na Ásia, sabia que era temporário. Serviu de experiência de vida para amadurecer como pessoa”, conta.

De volta ao Brasil e depois de se formar, Alessandra decidiu então fazer uma pós-graduação e começar a se preparar para concursos públicos. Ela afirma que já quase não fazia mais campanhas, mas acabou aceitando o convite da organização do Miss DF Universo para se inscrever no concurso de 2011. A jovem decidiu interromper os estudos temporariamente mais uma vez e se candidatou ao posto. Com 24 anos, foi eleita Miss Cruzeiro e então Miss DF 2011.

“Percebi que seria uma honra ter a oportunidade de representar o Distrito Federal em um concurso de nível nacional. Além disso, a interrupção temporária da pós-graduação não geraria prejuízos à minha formação”, explica. “O Miss Brasil 2011 foi realizado em São Paulo. Foram 27 participantes. Eu e mais 26 meninas ficamos duas semanas na capital paulista por conta do evento. Participávamos de eventos culturais e turísticos, bem como ensaiávamos para o grande dia. Fiquei nas semifinais.”

Alessandra continuou com a rotina de miss, acordando às 6h30 e fazendo musculação, tratamentos estéticos e dermatológicos, aulas de etiqueta, teatro e maquiagem e frequentando eventos sociais até passar a coroa em 2012. Depois, mudou radicalmente a rotina. Ela passou a estudar nove horas por dia, inclusive aos fins de semana, para se dedicar às provas.
A jovem conta que no início não trabalhava.

“Advogava pouco, tinha uma parceria com um escritório em que eu fazia algumas peças, mais pela prática mesmo. Os estudos eram diários, atividade física moderada e lazer mínimo. Fiz vários cursos, desde os mais genéricos até os mais específicos, e fazia várias provas de concursos diversos, bem como realizava exercícios e simulados em casa. Tive o apoio dos meus pais, até que eu fui aprovada e chamada no primeiro concurso e comecei a ter minha própria renda. Aí comecei a conciliar trabalho e estudo.”

Além da experiência na advocacia, Alessandra atuou como especialista em regulação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e analista do Supremo Tribunal Federal. Ela também foi aprovada como analista do Superior Tribunal de Justiça, defensora pública e procuradora do Banco Central. No dia 29 de janeiro, vencendo uma concorrência de 90 candidatos por vaga, tomou posse como juíza do Tribunal Regional Federal.
Para alcançar o cargo, Alessandra passou por várias etapas: prova objetiva, provas escritas, investigação da vida pregressa, exame de sanidade física e mental, teste psicotécnico, prova oral e avaliação de títulos acadêmicos. O certame aprovou 56 dos 5.209 inscritos – pouco mais de 1% dos candidatos.
Mundos diferentes

“É uma quebra de paradigma. É a transição de dois mundos completamente diferentes. Em 2012 eu ainda estava cumprindo as tarefas de miss e, em menos de três anos, estou no curso de formação de juiz federal. Embora o perfil das misses tenha se alterado, contando com meninas universitárias, ainda há o preconceito de que a miss apenas lê ‘O Pequeno Príncipe’. […] Tomar posse como juíza federal substituta do TRF é um símbolo de vitória”, diz a jovem.

A magistrada conta que mesmo durante a graduação a capacidade dela era posta em dúvida.

“Na época da faculdade houve preconceito. A maioria das pessoas não acreditava que eu pudesse ser uma boa aluna, já que era modelo. Ainda há preconceito de que modelo não é inteligente, mas eu sempre fui boa aluna. As pessoas ficam surpresas ao saber que uma modelo-miss passou em vários concursos e hoje é juíza federal. Na verdade isso deixa a vitória ainda mais gratificante. A quebra de paradigma funcionou como um plus na vitória.”

A juíza afirma que a experiência com o mundo das misses poderá contribuir com eventuais problemas na nova etapa de vida.

“Aprendi a lidar com situações adversas – concorrência, fracasso etc – desde nova, em razão da competitividade do meio da moda. Independentemente da idade da modelo, os problemas advindos da carreira são de ‘gente grande’. […] E, sim, a carreira de modelo e o miss me ensinaram a cuidar de mim mesma. Além de reforçar a vaidade, também me ajudou a ser mais disciplinada e determinada. Mantive dieta e academia, mesmo durante os estudos.”

Futuro
Alessandra afirma que não pretende fazer mais concursos públicos agora. O desejo de se tornar juíza veio do contato com magistrados na faculdade, na pós-graduação e no trabalho. A ideia de ir além da aplicação da “letra fria da lei” encantou a jovem.

“É um sonho realizado. Não preciso fazer mais concurso nenhum, pois esse era exatamente o que eu queria: chegar ao TRF e ser magistrada federal. Agora é iniciar a carreira com dedicação total”, diz a magistrada.

Segundo ela, o trabalho pode ser exercido em qualquer lugar do país.

“O ingresso na magistratura federal implica a responsabilidade de concretizar o princípio fundamental do acesso amplo à Justiça. Há a possibilidade de ser lotada em locais mais distantes. Se isso ocorrer, será uma honra poder fazer parte desse processo de interiorização da Justiça Federal, bem como me dará a oportunidade de conhecer a realidade e a diversidade existentes em um país tão extenso e culturalmente rico como o Brasil. Essa nova fase demandará não apenas o conhecimento jurídico adquirido ao longo dos anos, mas também maturidade e sensibilidade para lidar com conflitos concretos”, diz.

fonte:http://www.correiodoestado.com.br/brasilmundo/aprovada-em-6-concursos-miss-df-vira-juiza-aos-28/241367/

link curto:http://adf.ly/1GALCz

Juíza nomeia mediadoras

Notícias do TJGO

Juíza nomeia mediadoras para resolver conflito entre pais separados

sirleimariacosta-wsEm plantão judiciário realizado no dia 18, a juíza Sirlei Martins da Costa(foto) determinou a presença de duas mediadoras na casa de uma mãe de três crianças para negociar sobre a visitação dos filhos ao pai no fim de semana prolongado neste feriado de Tiradentes. Os pais também deverão comparecer à Oficina de Pais que ocorre na primeira segunda-feira de cada mês no auditório do Fórum Fenelon Teodoro Reis.

Os pais haviam firmado acordo no sentido que os filhos passariam os feriados prolongados alternadamente um com o pai, outro com a mãe, mas segundo o homem, a mãe vem descumprindo o acordo e já teria passado o último feriado prolongado com os filhos. Por conta disso, ele interpôs medida cautelar de busca e apreensão dos filhos que contam com 6, 4 e 2 anos.

A juíza considerou que o homem demonstrou seu direito de passar o feriado prolongado com os filhos, mas destacou que “os comandos judiciais, por si só, não solucionarão a lide social, para não dizer emocional, que envolve os genitores”. Ela ainda ressaltou que a decisão segue os moldes determinados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e “está em consonância com o que prevê o novo Código de Processo Civil (CPC), que ainda não está em vigência, mas atende a política pública de busca de solução alternativa do conflito e ainda leva em conta o cuidado com as crianças envolvidas”.

Conflito
Segundo o pai, ele já havia pedido a busca e apreensão para ter os filhos no feriado da Semana Santa, mas não obteve a liminar, pois o juiz entendeu que não “tinha certeza de que naquele feriado específico os filhos deveriam mesmo estar com o genitor”.

A magistrada frisou que o conflito estava provocando “grande sofrimento em todos os envolvidos e certamente as crianças são as mais atingidas, já que estão em desenvolvimento e têm menos compreensão do mundo e de sua complexidade” e, por isso, determinou a presença das mediadoras Celma Laurinda Freitas Costa e Regina Maria de Albuquerque Franco Ramos, “ao invés de determinar a fria ordem de busca e apreensão”. Veja a decisão. (Texto: Daniel Paiva – estagiário do Centro de Comunicação Social do TJGO)

fonte:http://www.tjgo.jus.br/index.php/home/imprensa/noticias/161-destaque1/9260-juiza-nomeia-mediadoras-para-resolver-conflito-entre-pais-quanto-a-visitacao-de-filhos

link curto:http://adf.ly/1Fks9H